2 de jul de 2012

Capítulo 5


                                                                     


                              Demi On 

Demi estava preocupada com alguma coisa, pensou Joe, observando o agora familiar escurecimento de seus olhos. Embora, obviamente, não fosse com a aparência. Ele nunca conhecera uma mulher menos preocupada com a aparência. O que fazia uma mulher jovem e potencialmente muito atraente vestir-se daquele jeito?

Os sinais de cintos apertados desapareceram e Joe desafivelou o dele.

O que importava o modo como Demi se vestia? O filho dela era sua preocupação e seu dever. Mas, e quanto a seu dever em relação a Demi, sendo o irmão do homem que a violentara?

Demi não podia mais conter sua ansiedade. Seus dedos tremiam quando desafivelou o cinto de segurança e inclinou-se na direção de Joseph .

— Seus irmãos e esposas... o que... o que eles sabem sobre mim? — perguntou, o corpo tenso.

— Sabem que você é a mãe de Daniel e que ele é um Jonas .

Ela corou, mas ignorou aquilo, pressionando-o com determinação.

— Eles sabem como eu tive Dan? Sabem...

— Que Nicholas a drogou e depois a violentou? — terminou ele por ela.

A voz de Joe era mais áspera do que Demi esperava, marcada por tudo que sentia sobre seu meio-irmão falecido, e sua aversão pelo mal que causara ao nome da família, mas para Demi sua aspereza era uma acusação, e ela encolheu-se.

— Sim, eles sabem — confirmou Joe.

A reação imediata de Demi alertou-o.

— Eles sabem e compartilham meus pontos de vista sobre o assunto — acrescentou ele, com ênfase.

— Por que você contou a eles? — perguntou Demi, sentindo-se apreensiva por estar prestes a conhecer a família siciliana e ser julgada por eles.

— O que está tentando dizer?

— Não é óbvio? Seu irmão negou o ocorrido. Recusou-se a aceitar Ollie como seu. Como vou saber que seus irmãos e as esposas aceitam o que realmente aconteceu? — Quando ele não falou, ela acrescentou, euforicamente: —Acha que quero pessoas sabendo o que houve comigo? Acha que quero Daniel crescendo com pessoas que sabem como ele foi concebido? Foi muito ruim que Kate e Tom soubessem, mesmo antes... — ela fez uma pausa, repentinamente percebendo que estava dizendo mais do que pretendia.
                                                                           
                                                           Joe On

A reação angustiada de Demi trouxe à superfície coisas que Joe já havia considerado... como lidar com aquilo. Já passara por situação igual quando fora encontrar a vítima de Nick e seu filho.

Já discutira com seus irmãos a preocupação em Daniel ser filho de Nick, e no que poderia se tornar quando crescesse.

— A última coisa que queremos é outro Nick — dissera Kevin abruptamente —, e se deixarmos a criação por conta de nosso pai, é exatamente o que o menino se tornará.

— Não permitirei que isso aconteça — assegurara Joe. — Eu reconhecerei a paternidade da criança.

Ambos os irmãos o olharam de tal maneira que ele se sentiu obrigado a continuar:

— Sei o que estão pensando. Minha paternidade por vocês dois continha mais intenção do que habilidade.

— Engana-se, Joe — respondeu Zac . — O que estamos pensando é que não há ninguém melhor para fazer o papel de pai dessa criança do que você. Somos ambos eternamente gratos por tudo que fez por nós.

Tinha sido um momento emocional e que ainda os comovia. Ele era muito jovem quando a mãe deles morrera e o pai se casara novamente... jovem demais para assumir a responsabilidade de proteger os irmãos mais novos.

— Admita isso, Joe — provocou Zac , numa tentativa de diminuir a tensão —, você quer ter esse menino sob suas asas porque sente falta de nós dois embaixo delas. Deveria encontrar uma mulher para amar, irmão... casar-se com ela e ter seus próprios filhos.

Seus próprios filhos!

Joe tinha visto sua mãe definhar, então, voltar às costas para a vida sob o fardo de ser a mulher do chefe da família. E depois vira a segunda esposa do pai florescer avidamente naquela posição, deleitando-se com a riqueza e o poder de seu status. Invejava seus irmãos e seus casamentos, e o amor que eles, obviamente, compartilhavam com as esposas, mas a situação deles era diferente! Os desejos pessoais de Joe vinham sempre em segundo lugar, após o dever. Um dia seria o chefe da família, e seu dever era continuar o nome Jonas .

Se cassasse, sua esposa teria de entender e compartilhar seu objetivo, e reconhecer o fato que seu dever sempre seria uma terceira presença no casamento deles.

Joe duvidava que pudesse encontrar uma mulher com quem compartilhar um amor verdadeiro e que, ao mesmo tempo, entendesse seu papel como herdeiro do príncipe.

Olhou para Demi, que agora era parte de suas responsabilidades.

— Você fala como se sentisse vergonha — disse ele. — Mas era Nick que deveria ter vergonha. Cabe a nós, como família, nos envergonharmos da atitude dele, não de você. Eu, como o mais velho, devo impedir que a vergonha de Nick contamine você ou Dan. Tem minha palavra que meus irmãos sentem exatamente o que sinto.

                                                         Demi On

Era impossível não acreditar nele, mas Joe tinha falado somente dos irmãos, Demi reconheceu. E as esposas deles? Questionariam a veracidade das versões do que ocorrera?

O comissário de bordo apareceu para perguntar o que ela gostaria de beber.

— Apenas água, por favor.

Havia algo mais que Joe sabia que precisava falar... uma vez que Demi levantara a questão.

— Se Dan aprender a sentir vergonha, então é de você que ele aprenderá, se usar palavras com descuido... como parece usar suas roupas.

Os olhos de Demi fuzilaram Joe, com raiva.

— Não há nada errado com minhas roupas.

— Ao contrário, há muita coisa errada com elas, para uma mulher da sua idade.

Demi ficou na defensiva, novamente irada.

— Bem, gosto delas. Sou eu quem tem de usá-las.

A voz de Demi estava tornando-se tão alterada quanto suas emoções.

— É impossível. Nenhuma mulher da sua idade pode gostar de trajes tão feios. E lembro-lhe que sou eu quem tem de olhar para eles.

Demi estava com raiva, muita raiva e... embora relutante em admitir... magoada, também.

— Apenas porque o tipo de mulheres que lhe agrada, apenas porque suas namoradas vestem roupas de última moda isso não significa...

 Não tenho namorada — Joe a interrompeu, em voz baixa.

Ele não tinha namorada! Por que ela, de repente, sentiu-se estranhamente alegre, quase encantada? Não porque Joe não tinha namorada, claro.

— O calor de verão na Itália é tão forte que será impossível vestir-se como está vestida agora e sentir-se confortável. As jovens sicilianas andam de pernas nuas no verão e usam tops sem mangas.

— Elas podem fazer o que bem entenderem, mas prefiro usar roupas que não sejam ousadas e não chamem atenção.

— Usar roupas tão inapropriadas atrairá a atenção dos outros. Então, talvez secretamente, por mais que negue, é isso que você quer?

— Não! Em absoluto. A última coisa que quero é que os homens olhem para mim.
Demi levantou-se enquanto falava, tão agitada e preocupada que tudo que podia fazer era procurar ansiosamente fugir.
                                                          Joe On

Joe não tivera a intenção de provocar aquela reação extremada.

E não mencionara nada sobre seu próprio olhar de desejo para ela. Mas Demi estava tremendo, da cabeça aos pés, olhos imensos no rosto delicadamente delineado... imensos e assombrados com algo que parecia medo.

— Não tive a intenção de dizer que você está deliberadamente chamando a atenção masculina — ele tentou assegurá-la, mas Demi sacudiu a cabeça.

— Sim, você teve. Suponho que secretamente pensa que encorajei Nicholas... que mereço o que aconteceu comigo.

As palavras explodiam de Demi agora, como veneno de um ferimento profundo. O som de sua dor encheu-o de compaixão, despertando seu enraizado senso de responsabilidade em relação ao vulnerável, cultivado durante os anos de sua juventude, quando tentara proteger os irmãos mais novos das conseqüências da falta de amor do pai.

Joe também se levantou.

 Não penso assim. Sei que você é totalmente inocente.

Tinha a atenção de Demi agora. Os lábios dela entreabriram-se e o sofrimento desapareceu de seu olhar.                                                              
                                                                                 
                                               Demi e Joe On

(entre uma narração e outra terão pensamentos dos dois ok ? )

—Você... —Demi ofegou quando o avião de repente enfrentou uma turbulência, tirando-lhe o equilíbrio.
Joe segurou-a quando ela tombou e caiu contra seu corpo, o rosto delicado pressionado contra o imaculado algodão de sua camisa, enquanto ele a envolvia com os braços. Demi podia sentir as fortes batidas do coração de Joe. Sua própria pulsação estava disparada, carregada de uma mistura de pânico e choque. 

Sentiu a cabeça latejar, reconheceu, tonta e aturdida. Devia ter alguma coisa a ver com a atmosfera da cabine, falta de oxigênio ou algo assim...

Talvez alguma coisa como a proximidade de certo homem? Ele estava usando a mesma colônia que usara antes, seu perfume levemente mais forte dessa vez, porque estavam muito mais próximos.

Demi sentia algo percorrer seu baixo-ventre. Vergonha, é claro, tinha de ser. Não tinha permissão de sentir nada além de vergonha nos braços de um homem. Sabia disso. Seu corpo tremia e os braços que a seguravam apertaram-se à sua volta.

— Está tudo bem, fique calma. É apenas um pouco de turbulência — murmurou Joe contra seu ouvido e sentiu que ela tremia.

Era natural que ela fosse cautelosa com os homens, considerando o que tinha acontecido, reconheceu Joe. 

Demi precisava de sua proteção. Necessitava sentir-se segura para poder apreciar a feminilidade e a beleza que possuía. E ele lhe daria essa segurança, tanto quanto daria a Dan um lar seguro, assim como tentara proteger os irmãos. Proteger os outros fazia parte de seu caráter e de seu destino.
                                                                     
Como seria saber que quando os braços de um homem a envolviam daquele jeito ela estava segura e podia confiar nele?

Como deveria ser deitar a cabeça contra o peito de um homem e saber que sua vulnerabilidade seria respeitada e sua necessidade respondida?

Apenas por um segundo Demi permitiu que aquelas perguntas penetrassem em seus pensamentos... deixou suas próprias respostas inundarem seu coração.

Uma tempestade de emoções a preencheu, fazendo com que se sentisse muito fraca para mexer-se. Uma vontade de virar a cabeça e inalar o aroma da pele de Joe, sentir as batidas descompassadas de seu próprio coração, que não tinham nada a ver com medo naquele momento, a dor pungente que parecia ter-se infiltrado em todas as partes de seu corpo, bem no íntimo de seu ser.

Todas aquelas coisas eram novas para ela, e de alguma forma, ao mesmo tempo, conhecidas.

O avião havia se nivelado e estava voando suavemente outra vez.

Daniel acordou e chorou baixinho.

De volta à realidade, Demi tentou livrar-se do abraço de Joe. Estava tremendo violentamente, com o medo de sua própria reação a ele escurecendo-lhe os olhos.

Vendo aquele medo e contundindo sua causa, Joe perguntou, incrédulo:

— Você está com medo de mim?

Demi não podia falar. Culpa e medo a dominaram.
                                                                     
— Isto é o que Nicholas  fez com você, não é? Deixou-a com medo de todos os homens. — Demi não podia encará-lo. — Você não precisa ter medo de mim — disse Joe gentilmente quando a libertou. — Dou-lhe minha palavra que na Sicília, na terra dos Jonas , você sempre será tratada com respeito.

Ela deveria acreditar e confiar nele? Queria muito.

Assim como quisera que ele continuasse a abraçá-la? Culpa tomou conta de Demi. Não! Isso não era verdade. Não quisera aquilo. Não havia perigo de envergonhar-se por um comportamento provocativo.

Demi entrou em pânico e suas mãos tremiam quando ela estendeu-as para Daniel.

                                                    Joe On


Silenciosamente, Joe a observou. Ela estivera tão vulnerável nos seus braços!

Nick a havia prejudicado terrivelmente. Como um passarinho com a asa quebrada, Demi precisava de proteção até que estivesse completamente recuperada e fosse capaz de voar de novo.

Originalmente, ele acreditara que seu único dever era para com o filho dela, mas estivera errado, percebia agora. Demi precisava tanto de seus cuidados quanto o filho. Agora que estava consciente disso não poderia ignorar o fato.

Joe tinha o dever de cuidar dela, e ele o faria. Custasse o que custasse.





Oi Cupcakes , Então quem em segue no twitter sabe que eu fiquei de postar ontem , mais meu braço estava doendo muito , por que uma certa pessoa resolveu fazer ele  de saco de pancada (Valeu irmãozinho ;) 
E ai o que acharam do Capitulo ?? , comentem e me contem *-* 
Já terminei a Mini-Fic que eu vou postar
O nome dela é We Belong Together , e é baseada no video clipe da musica desse mesmo nome da cantora Mariah Carey .
Foi dividida em 4 partes , sendo uma o Epilogo , e pra quem não curte sinto muito mais no   começo ela é meio Nemi 

Pretendo Postar ela lá pro meio dessa fic , o que deve acontecer lá por capitulo 10 ou 11 , época onde por mera coincidência( imagina ;* ) é onde as partes Hots começam , ou seja , pausa na Fic , Mini Fic e depois Maratona de Hots 

Bom  acho que é isso 

5 Comentários para o próximo Cap 


RESPOSTA DOS COMENTÁRIOS


Apenas eu *-* : Confusa com o que meu amor , me fala que eu tento te explicar , esse é o objetivo kkk , postado e me passa seu twitter *-* 


Gabii Oliveira! : Postado e Obrigado , essas leitoras de sala , não vê a aula pra ficar lendo fan fiction , eu sou igualzinha kkk


Juh Lovato  : Obrigado *-* , Talvez não demore muito kkk , Postado , Por nada , quando precisar estamos aqui =D


Flavinha do Blog : Minha rainha dos Hots e confidente , só você e a Lala pra me aguentar com essas minha ideias pra fics malucas kkk  , Ela tbm espera isso kkk , Internet da Flavia colabore com ela , preciso da fic diva dela e dos comentários dela aqui *-* , Bjinhos 

Mirela Camberttini  : Ok , Beijos 

clarinha : Obrigado , Postado 

6 comentários:

  1. Meu twitter é @Glitterzinha
    Eu estava confusa sim, mas agora entedi o rumo de tudo. Sabe, as vezes sou meio lerda entende?! Então...

    Posta logo ;*

    ResponderExcluir
  2. Amei o capitulo sinto que está perto de Jemi acontecer

    ResponderExcluir
  3. Ahhhh ... Perfeito amora ! Estou amando a fic ...

    Nossa.. O joe fofo *---*

    amr ... Qual o seu twitter ??

    Bem .. Posta logo ! Esperando hein =D

    ResponderExcluir
  4. Oi, Ana!
    Amei o capítulo e vou ler desde o começo e passarei á acompanhar! UHUU.
    Mas você escreve bem e eu já tô virando fã! E claro já segui e favoritei, não vai livrar-se de mim cedo, ouviu? - Sim isso é uma ameça

    Bom, sobre o troço do Josh lá no blog, tem problema se eu por o Alexander no lugar dele? Tipo, eu acho ele e a Jen fofo, quer dizer muito fofo, ain eu amo eles juntos mas como a " Y Love Jemi" escolheu primeiro ela tem o direito, né? Então o que me diz? Vamos ver como o meu lindo Cato fica com a Katniss?
    É que como você disse, gêmeos ficariam estranhos, então o que acha? Mas se preferir outra coisa, tudo bem. ( PS, Responda isso lá no meu blog )

    Beijos, amo vooc *--*

    ResponderExcluir
  5. será q vc pode divulgar meus blog..??
    http://jemi-parasempre.blogspot.com.br/
    http://quandovocmeolhanosolhos.blogspot.com.br/
    beeeijos

    ResponderExcluir
  6. MOMENTOS JEMI ESTÃO POR VIR!!!!! *-----*
    EU QUERO UM JOE GOSTOSÃO DESSES!
    SÉRIO! ESSA FIC É PERFEITA!!!!
    QUERO O PRÓXIMO CAPÍTULO! E A MINI-FIC! E A MARATONA!! 66'
    POSTA LOGO MEU AMOR ^----^
    TE AMO <3

    ResponderExcluir